Dieta dos pontos

Isabela Leal e Ana Paula Rafanini, especial para o UOL Ciência e Saúde

Outras dietas
  • Getty Images

O que propõe

Contar calorias por meio de pontos. Nessa dieta, criada pelo endocrinologista Alfredo Halpern, da Universidade de São Paulo, o cálculo de calorias que podem ser consumidas é feito por meio do peso, altura, sexo, idade e o nível de exercícios físicos que a pessoa pratica. Ou seja, cada um deve consumir um número de pontos por dia. “Quem deve fazer essa conta é um médico ou nutricionista”, explica a nutricionista Monica Beyruti, da Clínica Alfredo Halpern, de São Paulo.

O objetivo é somar o que se come o dia inteiro atingindo sua meta de pontos diários. E é imprescindível anotar os pontos. “O objetivo de anotar é também fazer com que a pessoa tome consciência do que está comendo. Porque a maioria das pessoas que fica beliscando, no final do dia acha que não comeu nada”, explica Monica. “Outra vantagem de contar os pontos é permitir com que as pessoas convivam com os alimentos proibidos, exercitando o autocontrole, atitude essencial para uma reeducação alimentar”, aponta a nutricionista Bia Rique, da Clínica Ivo Pitanguy, do Rio de Janeiro.
 

Como é feita

Com base no número de pontos (um ponto equivale a 3,6 calorias) que é calculado em cima de características individuais, cada um pode criar o seu cardápio de acordo com suas preferências nutricionais, os pontos são simplesmente para facilitar a contagem. “Mas não vale comer toda a cota em chocolate”, ensina Beyruti.

Justamente por ser democrática, essa dieta requer uma orientação para que seja possível lançar mão de uma alimentação equilibrada, sem carência de nutrientes. “Todos os alimentos são permitidos, alguns com mais freqüência e outros com restrições. Por exemplo, pizza e cheeseburguer devem ser consumidos de maneira moderada, restrita ao que o médico ou nutricionista estabelecer, enquanto o arroz e feijão são incentivados”, justifica.

No almoço é imprescindível a ingestão de vegetais, massas integrais, grãos e proteínas magras como peixes, frango, soja, feijão. No café da manhã é bom dar preferência a leite desnatado ou de soja, cereais, granola, frutas, peito de peru, geléia diet, pães light ou integrais, chá ou café com adoçante.

Nessa dieta, os lanches são recomendados, vale comer desde uma fruta até um sanduíche magro de pão integral light com alface, tomate e peito de peru, passando por iogurte magro com cereais, fruta com aveia ou barra de cereal. Mais uma vez, vai depender do gosto de cada um e do quanto se pode comer no dia.

“É aí que precisa ter cautela, para que essa dieta não se torne um conceito numérico, mecânico de contagem de pontos, e não comportamental, ficando ancorada em números, sem que a pessoa entenda a qualidade e a importância dos alimentos na saciedade”, alerta Rique.

As refeições devem ser fracionadas em 5 ou 6 vezes por dia para evitar jejum prolongado e consequentemente crises de fome. Os únicos alimentos proibidos são os alimentos que contêm qualquer quantidade de gordura trans – para saber é preciso verificar o rótulo da embalagem. Vale lembrar aqui que o óleo e os temperos utilizados no preparo dos alimentos também são contabilizados na soma dos pontos.

 

Promessa

Vai depender de quanto a pessoa precisa emagrecer. Uma média de redução de peso seguindo a contagem de pontos é de 3 a 4 kg por mês.

Contraindicação

Não há. Caso o paciente apresente algum problema de saúde ou doença, que não seja apenas controle de peso, ele deve seguir os pontos com uma orientação médica.

Eu fiz

“Depois que fiz a dieta dos pontos, descobri como é fácil perder peso e conseguir manter. Esse sempre foi o maior drama pra mim: me manter magra. Com outras dietas até atingia a minha meta de emagrecer, mas voltava a comer desregradamente e engordava tudo de novo, às vezes até mais do que tinha perdido. Com esse cardápio posso comer de tudo, vou controlando meus pontos e quando extrapolo, faço compensações e a situação é sempre confortável. Perdi 10kg em um mês e mantenho há um ano. Estou de bem com a vida, como doce, comidas típicas, como a baiana que eu adoro, e até bolo de casamento que fazia anos que não comia. E o melhor, continuo magra. Deixei de comer só grelhados e salada e faço o que eu quiser. Minha vida social agora é absolutamente normal.”

 

Renée Falco, 53 anos, comerciante de São Paulo

titulo-box Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos